terça-feira, janeiro 31, 2006

Dia saudade



Tenho saudade de mim!
Saudade da minha infância
Saudade das brincadeiras inocentes
Dos vestidinhos coloridos e rendados
Saudades do colo de meus pais,
Saudades de não “ser” responsável por nada.

Tenho saudades de mim!
Saudade de minha juventude
Da alegria espontânea
Saudade da época das descobertas,
Descobertas do outro, de mim mesma.
Saudade do sem medo, da inconseqüência própria da idade.

Tenho saudade de mim!
Saudade das lutas com os cuidados das crianças
Das traquinagens e preocupações com os filhos
Saudade do barulho e das brigas entre irmãos
Saudade do corre-corre diário e com o tempo para o trabalho.

Tenho saudade de mim!
Somente de mim...

Graça Cardoso
30.01.2006

segunda-feira, janeiro 30, 2006

Vento


Foto de Ricardo Tavares

Vento
Fechas os meus olhos
Entras em minha alma
descobres meus pensamentos
mesmo os mais profundos
de ti não escondo nada
só tu o teu amigo mar e a tua amiga lua
têm esse poder sobre mim
e eu nada faço para impedir
nem quero!

Vento
Tu que tudo sabes, tu que estás em todo lado
Viste a minha outra metade?
Se vires diz-lhe que continuo esperando
que meus braços doem de cansados desta espera,
que esta espera parece não ter fim.
Diz-lhe que necessito saber
o que é essa tal felicidade
conhecer esse tal amor
que todos falam,
que todos dizem conhecer.
Diz-lhe que só quando as duas metades
se unirem e ficarem em uma só
então saberemos, conhecemos
a felicidade, o amor.


Teu-olhar

domingo, janeiro 29, 2006

Bebê é encontrado boiando dentro de saco plástico em BH-- retirado daqui

28/01/2006 - 21h54
Bebê é encontrado boiando dentro de saco plástico em BH
da Folha Online

Um bebê do sexo feminino, com cerca de dois meses de idade,
foi encontrado neste sábado dentro de um saco plástico
boiando na Lagoa da Pampulha, no bairro São Luís,
em Belo Horizonte (MG).
Retirada da lagoa por um casal que passeava pelo local
e escutou barulho, a criança abandonada
apresentava sinais de afogamento.
Ela foi levada para o Hospital Municipal Odilon Behrens,
no centro de Belo Horizonte, onde permanece internada para a realização de exames.
De acordo com o Corpo de Bombeiros da região, antes de resgatar a menina,
o casal teria visto uma mulher jogando o saco plástico na lagoa.
Caso os pais do bebê não sejam localizados,
ela deverá ser encaminhada para adoção.

29/01/2006 - 18h13
Polícia de BH encontra mãe de bebê jogado na lagoa de Pampulha
da Folha Online

A mãe do bebê do sexo feminino, encontrado neste sábado (28)
boiando na lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte (MG),
foi localizada neste domingo por policiais da 7ª Delegacia Seccional de Venda Nova.
De acordo com os investigadores, a promotora de vendas Simone Cassiano da Silva,
de 28 anos, foi detida na casa do namorado, no bairro Estoril, situado na capital mineira.
O bebê, que estava boiando dentro de um saco plástico preto,
foi encontrado ontem por um casal que passeava pela orla da lagoa.
Depois dos primeiros socorros, a criança foi levada por bombeiros para o hospital Odilon Behrens, onde passou por uma série de exames, e teve alta neste domingo.Durante depoimento prestado à polícia, a mãe do bebê negou veementemente que tenha jogado a filha na lagoa. Afirmou ter entregue a criança junto com R$ 5 a uma moradora de rua, que se encontrava na lagoa. Ela também afirmou que poderia identificar facilmente essa pessoa. Entretanto, o depoimento da promotora de vendas não convenceu os policiais. Segundo eles, Simone tem outra menina, de 10 anos de idade, que é criada pela avó paterna. O flagrante por tentativa de homicídio foi registrado pelo delegado de plantão Willian Alves Vital.Pesando 3,6 kg, a criança, conforme o hospital, é prematura, tem dois meses de idade e já tem vários pretendentes a adoção. O Juizado da Infância da cidade informou que nesta segunda-feira (30) ela será encaminhada para a adoção.

A tua história


Foto retirada da internet sem autoria

Ama-me lentamente…
E finge que não me conheces. Que me viste na rua e me escolheste
a mim, de entre todas as mulheres que contigo se cruzavam, e que
não tiveste escolha porque eu era única e diferente de todas as
outras.…

Beija-me o peito devagar. Morde-me devagar…
E finge que sem escolha me escolheste e que ao ver-me os olhos te
perdeste e ao dar-me a mão soubeste que o caminho era eu e me
disseste, “vem quero encontrar-me”.…

Pára. Fica entre as minhas pernas assim quieto e parado. Fica…
E finge que ao ver-me nua te viste nu pela primeira vez, tão nu que
te cobriste, tão nu que te vestiste com a minha pele e que surpreso
descobriste que tinha a tua forma, a tua medida e que me quiseste
tanto que ficaste impotente ante um desejo tão desmedido.

…Ama-me lentamente…
Contar-te-ei o resto da tua história amanhã.


sexta-feira, janeiro 27, 2006

O sol nas noites e o luar nos dias



De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto:
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.

E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.

Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.

Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem.

Natália Correia
Poesia Completa
Publicações Dom Quixote
1999

Coisas de chats

Eu que já ando nesta navegação da Internet, já vai fazer uns 3 anos.
Já li coisas que ate Deus dúvida, ou deveria duvidar hehehe.
O chat por exemplo `e onde se encontra de tudo, vendem, alugam, procuram,
Partilham, oferecem. E os nicks… agora entram com um mais tarde entram com outro `e só mudar de roupa. E depois perguntam… não me conheces já não te lembras de mim? Mas por acaso eu sou a Maya? Ou a Linda Reis? E então aquelas perguntas que eu adorava, mais parecia que estava a ser interrogada pelo FBI.
Perguntas tipo – Nm? = Nome? Mas isso `e importante? Que importa se eu me chamo Joaquina ou Alfredina ou lá que seja.
H ou M? = Homem ou Mulher? Por vezes dizia que era homem já ninguém queria conversar ( teclar ) comigo, por vezes acabava mesmo por ser insultada. Quando dizia que era mulher não me largavam do pé, o privado ate parecia que tinha mel heheh.
Idd? = Idade? As vezes dizia que era menor de idade 16 anos, então diziam-me que já devia estar na caminha pois o vitinho já tinha dado há tempos. Outras vezes dizia que tinha 65 anos, diziam que já era kota que já não devia andar naquilo.
Ddtc? De onde teclas? Da minha casa, mais propriamente da minha sala, e ainda mais propriamente do meu computador.
Webcam? = Sim tenho webcama mas vou precisar dela para dormir.
Sexo? Muito! Ao pequeno-almoço ao almoço e ao jantar.
Trocas mail? Porra tive um trabalhão do caraças para faze-lo e ia troca-lo agora?
A pergunta de prache que fazia, era esta. Qual o teu signo?
Não sei porque mas sempre tive a curiosidade de saber o signo das pessoas
com quem falava.
Depois apareciam aqueles cromos que iam fazer-nos a vida negra,
mas felizmente tínhamos a melhor anti cromos que desinfectava aquilo tudo, era uma limpeza, alem de fazer a limpeza partíamos a rir com a essa pessoa, não havia Norton, panda, nada lhe chegava ao calcanhares. Depois foi-se deixando daquilo os cromos apareciam e acabou por ficar uma porcaria. Antes eu ia todos os dias passava lá horas que pareciam minutos e hoje se vou uma vez por mês e muito. Confesso que tenho saudades desses tempos, bons tempos sem dúvida, tínhamos aquele grupinho, partilhávamos as nossas alegrias e tristezas, e dávamos umas boas risadas.
Fiz amizades, algumas dessas amizades não passaram de amizades virtuais, cada uma seguiu seu caminho. Outras conhecendo pessoalmente ou virtualmente, estão no meu coração. Umas pessoas mudaram a minha vida, positivamente, negativamente, mas aprendi muito com isso e isso `e o mais importante.
No mundo da Internet todo o cuidado `e pouco, não se deve deixar as crianças frequentarem a Internet sozinhas, principalmente quando estão em salas de bate-papo
Nunca se sabe com quem se esta a falar, e que tipo de pessoa possa ser.
O chat `e um vicio, eu também já estive viciada, felizmente tratei me no cibernautas-anonimos, hoje estou limpa, ou melhor quase limpa porque as vezes ainda lá vou.


Texto; Teu-olhar

quinta-feira, janeiro 26, 2006

Linguagem das flores...

( Flor de Alecrim )

Olhando para o nosso mundo
Vejo o planeta tão desigual
Mas nasce no coração bem fundo
Flores de Pessegueiro-Amor Conjugal.

As guerras feitas pelos dirigentes
na ganância os seus olhos se fecham
Mas existem outros olhos inteligentes
Dálias Vermelhas-os teus olhos queimam.

Questionar o motivo de tão horrível indecência
No meio de tantos Narcisos - Egoísmo e Vaidade
Por sermos Margaridas Pequenas e Brancas-Inocência
Apenas suplicamos e rezamos pelo fim da barbaridade.

Mas quando a guerra termina
O velho mundo pula e avança
E no nosso interior germina
Amêndoeiras em Flor-Esperança.

No meio de tantos escombros apareçem
Lírios Silvestres - Regresso à Felicidade
E de novo todos os povos juntos renascem
Como jardins de Jasmins Brancos - Amabilidade.

E os povos de novo juntos... trocam
Camélias Japonesas - Arrependimento
E os olhos menos tristes... focam
Camélias Vermelhas-Reconhecimento.

E em todos os continentes a vida retorna
Como Cravos Brancos-Ingenuidade-Amor Ardente
E em cada um de nós há uma nova reforma
Feita de Flores de Lis - Beleza Atraente.

Pela troca de uma Flor de Castanheiro - Perfídia
Dou-te um ramo de Magnólias - Amor à Natureza-Simpatia

Pela troca de uma Giesta - Desesperança
Dou-te um ramo de Iris Azuis - Confiança

Pela troca de um Amor-Perfeito - Recordação
Dou-te um ramo de Nenúfares - Pureza de Coração

E de cada um de vós peço apenas ...uma...
Flor de Alecrim - A tua presença dá-me forças...


Fatyly-20/3/2003

Parabens Fatyly

Tudo começou assim. Andava eu a ver e comentar um ou outro blog.
Visitava também blogs ou sites de outras pessoas que também comentavam.
Foi numa dessas visitas que encontrei um lindo cantinho “ O cantinho da Fatyly “
Um cantinho repleto de carinho, amizade, ternura…
Com o tempo fui falando de mim, dos meus sentimentos.
Lá comecei a escrever uma coisita aqui uma coisita ali, e sempre com o apoio
a força que a Fatyly sempre me deu. Hoje tenho este cantinho uma parte deve-se a ti Fatyly ;) És uma pessoa querida, uma pessoa amiga, e sempre pronta a dar apoio;)
Fatyly esta foi a maneira que encontrei para te dar os Parabéns bebé ;) Feliz Aniversario
Que este dia seja preenchido com muito amor, carinho, amizade, paz!
E como sei que gostas, ofereço-te não uma, não duas, mas um campo de flores!!


Tudo de bom! Fatyly

quarta-feira, janeiro 25, 2006

Porquê?


( Foto retirada da internet )
Durmo.
Nem sei como me deitei (ou deitaram)
Tudo está tão longe da realidade
Tanto faz estar aqui ou ali,
Tudo é tão igual, tão rotineiro.
Estou presa na minha própria armadilha
O sono que me dá
As dores de cabeça
Tudo tão doloroso!
Mas o que dói mais
É esta ansiedade, esta instabilidade
Este aperto na garganta.
Olho à volta e os amigos também estão mal
Isso ainda me deixa mais impotente.
Quero ajudá-los e não posso.
E no meio deste deixa andar
Aqui deitada na cama
Desliza uma lágrima
Por tudo aquilo que já vivi, pelo que vivo
E pela incerteza do futuro.
As guerras, a fome, as violações, a pedofilia
A política, a mentira, a corrupção
É que vencem sempre.
Porque tem de ser assim?
Não me adapto a esta sociedade cheia de horrores.
Felizes os que não pensam!

Poema da Wind



terça-feira, janeiro 24, 2006

A Face

( Foto retirada da net- sem autoria )
Encaminho meu futuro
nas dúvidas do passado,
sanadas no presente...

A realidade me impulsiona adiante,
cheias de vultos sem rostos,
não quero dar desgosto,
mas vou ser uma face com rosto!

O coração apaixonado e meus beijos perdidos,
onde estão?
Pressionados pelo acaso,
dos que tentam fazer,
meu sonho esquecer.

Desilusão!!
Então...
meu olhar procura,
uma esperança de me aliviar,
trazer de volta a ilusão,
meu mar acalmar,
na lembrança de tentar,
um vulto aparentar,
mais fácil...
não vou negar!!

Troco meus sonhos para me adequar?
Não!! Cansei de esperar...


Escondo o que não querem ver?
Não,mostro o meu ser,
pra quem quer ver.
Compreender...?

Deixei de tentar querer,
agora eu faço, me deleguei o poder.
e no beijo,
aquele que não pude ter,
que tanto esperei...
a minha face encontrei!!
não tenho mais medo de ser,
agora sou.

segunda-feira, janeiro 23, 2006

Humanidade Enferma

Neste sono em que imerge a massa,
a morte vulgar, a boa notícia,
catástrofes se perfumam de malícia,
nas manchetes com cheiro de desgraça.

O homem acorda fedendo a si mesmo,
não sente mais a falta do ofício.
Ofício distópico, imperfeito
um poema chora o desperdício.

No suplício da miséria, nos conflitos,
saem frases sem brilho, sem poesias,
fotos opacas, com perfume de vísceras,
vísceras fartas de exageros e vícios.
Vícios de poder, vícios de dominação,
uma lágrima cai no precipício.

Eu detesto a humanidade enferma,
autista, egoísta, perversa, fictícia,
cruel consigo mesma
Ninguém para ouvir uma boa notícia.

Ruy Câmara

Digam que foi mentira


Digam que foi mentira, que não sou ninguém,
que atravesso apenas ruas da cidade abandonada
fechada como boca onde não encontro nada:
não encontro respostas para tudo o que pergunto nem
na verdade pergunto coisas por aí além
Eu não vivi ali em tempo algum.
Ruy Belo

domingo, janeiro 22, 2006

Antiguidades

Quando eu era menina
bem pequena,
em nossa casa,
certos dias da semana
se fazia um bolo,
assado na panela
com um testo de borralho em cima.
Era um bolo econômico,
como tudo, antigamente.
Pesado, grosso, pastoso.
(Por sinal que muito ruim.)
Eu era menina em crescimento.
Gulosa,
abria os olhos para aquele bolo
que me parecia tão bom
e tão gostoso.
A gente mandona lá de casa
cortava aquele bolo
com importância.
Com atenção. Seriamente.
Eu presente.
Com vontade de comer o bolo todo.
Era só olhos e boca e desejo
daquele bolo inteiro.
Minha irmã mais velha
governava. Regrava.
Me dava uma fatia,
tão fina, tão delgada...
E fatias iguais às outras manas.
E que ninguém pedisse mais !
E o bolo inteiro,
quase intangível,
se guardava bem guardado,
com cuidado,
num armário, alto, fechado,
impossível.
Era aquilo, uma coisa de respeito.
Não pra ser comido
assim, sem mais nem menos.
Destinava-se às visitas da noite,
certas ou imprevistas.
Detestadas da meninada.
Criança, no meu tempo de criança,
não valia mesmo nada.
A gente grande da casa
usava e abusava
de pretensos direitos
de educação.
Por dá-cá-aquela-palha,
ralhos e beliscão.
Palmatória e chineladas
não faltavam.
Quando não,
sentada no canto de castigo
fazendo trancinhas,
amarrando abrolhos.
"Tomando propósito".
Expressão muito corrente e pedagógica.
Aquela gente antiga,
passadiça, era assim:
severa, ralhadeira.
Não poupava as crianças.
Mas, as visitas...
- Valha-me Deus !...
As visitas...
Como eram queridas,
recebidas, estimadas,
conceituadas, agradadas!
Era gente superenjoada.
Solene, empertigada.
De velhas conversar
que davam sono.
Antiguidades...
Até os nomes, que não se percam:
D. Aninha com Seu Quinquim.
D. Milécia, sempre às voltas
com receitas de bolo, assuntos
de licores e pudins.
D. Benedita com sua filha Lili.
D. Benedita - alta, magrinha.
Lili - baixota, gordinha.
Puxava de uma perna e fazia crochê.
E, diziam dela línguas viperinas:
"- Lili é a bengala de D. Benedita".
Mestre Quina, D. Luisalves,
Saninha de Bili, Sá Mônica.
Gente do Cônego Padre Pio.
D. Joaquina Amâncio...
Dessa então me lembro bem.
Era amiga do peito de minha bisavó.
Aparecia em nossa casa
quando o relógio dos frades
tinha já marcado 9 horas
e a corneta do quartel, tocado silêncio.
E só se ia quando o galo cantava.
O pessoal da casa,
como era de bom-tom,
se revezava fazendo sala.
Rendidos de sono, davam o fora.
No fim, só ficava mesmo, firme,
minha bisavó.
D. Joaquina era uma velha
grossa, rombuda, aparatosa.
Esquisita.
Demorona.
Cega de um olho.
Gostava de flores e de vestido novo.
Tinha seu dinheiro de contado.
Grossas contas de ouro
no pescoço.
Anéis pelos dedos.
Bichas nas orelhas.
Pitava na palha.
Cheirava rapé.
E era de Paracatu.
O sobrinho que a acompanhava,
enquanto a tia conversava
contando "causos" infindáveis,
dormia estirado
no banco da varanda.
Eu fazia força de ficar acordada
esperando a descida certa
do bolo
encerrado no armário alto.
E quando este aparecia,vencida pelo sono já dormia.
E sonhava com o imenso armário
cheio de grandes bolos
ao meu alcance.
De manhã cedo
quando acordava,
estremunhada,
com a boca amarga,
- ai de mim -
via com tristeza,
sobre a mesa:
xícaras sujas de café,
pontas queimadas de cigarro.
O prato vazio, onde esteve o bolo,
e um cheiro enjoado de rapé.
Cora Coralina

sábado, janeiro 21, 2006

Meu desejo


Meu desejo? era ser a luva branca
Que essa tua gentil mãozinha aperta:
A camélia que murcha no teu seio,
O anjo que por te ver do céu deserta....
Meu desejo? era ser o sapatinho
Que teu mimoso pé no baile encerra....
A esperança que sonhas no futuro,
As saudades que tens aqui na terra....
Meu desejo? era ser o cortinado
Que não conta os mistérios do teu leito;
Era de teu colar de negra seda
Ser a cruz com que dormes sobre o peito.
Meu desejo? era ser o teu espelho
Que mais bela te vê quando deslaças
Do baile as roupas de escomilha e flores
E mira-te amoroso as nuas graças!
Meu desejo? era ser desse teu leito
De cambraia o lençol, o travesseiro
Com que velas o seio, onde repousas,
Solto o cabelo, o rosto feiticeiro....
Meu desejo? era ser a voz da terra
Que da estrela do céu ouvisse amor!
Ser o amante que sonhas, que desejas
Nas cismas encantadas de languor!
Álvares de Azevedo

Para ser Feliz


...nada saber de Geografia
ignorando, assim, a semelhança
entre a ilha perdida no oceano
e o sozinho em meio à multidão....
não conhecer História Natural,
imaginando integram um só reino
os animais e os minerais,
não havendo surpresa ao defrontar,
a cada passo, corações de pedra....
nunca ter aprendido Matemática
e não poder, então, somar angústias,
multiplicar tristezas e desgostos,
contar e recontar horas vazias....
desconhecer Astronomia,
posição e distância das estrelas
supondo ser possível alcançá-las,
traze-las aos punhados, faiscantes,
para o enlevo dos olhos bem amados....
não ter qualquer noção de Geometria,
de ângulos, triângulos, polígonos;
não entender de círculos e retas,
porque só é feliz quem nada sabe,
nem percebe que o Sonho e a Realidade
fazem jornada em ruas paralelas.
Graciette Salmon

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Posso escrever os versos mais tristes esta noite


Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo: “A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros, ao longe”.
O vento da noite gira no céu e canta.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu a quis, e às vezes ela também me quis...
Em noites como esta eu a tive entre os meus braços.
A beijei tantas vezes debaixo o céu infinito.
Ela me quis, às vezes eu também a queria.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.
Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi.
Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho.
Que importa que o meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.
Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
Minha alma não se contenta com tê-la perdido.
Como para aproximá-la meu olhar a procura.
Meu coração a procura, e ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquear as mesmas árvores.
Nós, os de então, já não somos os mesmos.
Já não a quero, é verdade, mas quanto a quis.
Minha voz procurava o vento para tocar o seu ouvido.
De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
Sua voz, seu corpo claro. Seus olhos infinitos.
Já não a quero, é verdade, mas talvez a quero.
É tão curto o amor, e é tão longe o esquecimento.
Porque em noites como esta eu a tive entre os meus braços,
minha alma não se contenta com tê-la perdido.
Ainda que esta seja a última dor que ela me causa,
e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo.
Pablo Neruda

quinta-feira, janeiro 19, 2006

Adeus


Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!
Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
- e o hábito faz lei!
Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!
( Judith Teixeira )
Janeiro
1926

Perfis decadentes

( foto de: Edou Kamara )

Através dos vitrais
ia a luz a espreguiçar-se
em listas faiscantes,
sob as sedas orientais
de cores luxuriantes!
Sons ritmados dolentes,
num sensualismo intenso,
vibram misticismos decadentes
por entre nuvens de incenso.
Longos, esguios, estáticos,
entre as ondas vermelhas do cetim,
dois corpos esculpidos em marfim
soergueram-se nostálgicos,
sonâmbulos e enigmáticos...
Os seus perfis esfingicos,
e cálidos
estremeceram
na ânsia duma beleza pressentida,
dolorosamente pálidos!
Fitaram-se as bocas sensuais!
Os corpos subtilizados,
femininos,
entre mil cintilações
irreais,
enlaçaram-se
nos braços longos e finos!

E morderam-se as bocas abrasadas,
em contorções de fúria, ensanguentadas!


Foi um beijo doloroso,
a estrebuchar agonias,
nevrótico ansioso,
em estranhas epilepsias!
Sedas esgarçadas,
dispersão de sons,
arco-iris de rendas
irisando tons...


E ficou no ar
a vibrar
a estertorar,
encandescido,
um grito dolorido.
( Judith Teixeira )
Novembro -1922

quarta-feira, janeiro 18, 2006

Sem Título

Na minha rua há um menininho doente.
Enquanto os outros partem para a escola,
Junto à janela, sonhadoramente,
Ele ouve o sapateiro bater sola.

Ouve também o carpinteiro, em frente,
Que uma canção napolitana engrola.
E pouco a pouco, gradativamente,
O sofrimento que ele tem se evola. . .

Mas nesta rua há um operário triste:
Não canta nada na manhã sonora
E o menino nem sonha que ele existe.

Ele trabalha silenciosamente. . .
E está compondo este soneto agora,
Pra alminha boa do menino doente. . .
( Mário Quintana )

Oração da Vida

Oração da VIDA
A vida é uma oportunidade. Aproveite-a.
A vida é uma beleza. Admire-a.
A vida é um sonho. Faça que se torne realidade.
A vida é um desafio. Enfrente-o.
A vida é um dever. Cumpra-o.
A vida é preciosa. Cuide dela.
A vida é riqueza. Conserve-a.
A vida é um mistério. Explore-o.
A vida é promessa. Tenha esperança.
A vida é tristeza. Supere.
A vida é um hino. Cante-o.
A vida é um combate. Vença.
A vida é uma aventura. Conduza-a.
A vida é felicidade. Mereça-a.
A vida é vida. Defenda-a.

(Madre Tereza de Calcutá)

Menina/Mulher

A chuva cai lá fora
Eu aqui na minha cama
Oiço a chuva a cair
O sono não vem
Então as lembranças vêm à cabeça
Coisas boas, coisas más
Decisões tomadas por mim
Que mudaram o rumo à minha vida
Decisões tomadas por outros
Vi minha vida mudada à força
Acontecimentos que não esperava
Nunca esperamos não é?
E fui obrigada a crescer tão depressa
Deixei de ser menina
Para ser mulher
Não dava para ser dali a uns anos
Tinha de ser naquela altura
A vida não ia esperar que eu crescesse
Assim senti-me como um fruto
Acabado de nascer
Que levou um produto qualquer
Para amadurecer fora do tempo.
Teu-olhar

terça-feira, janeiro 17, 2006

**Caminhar**


**Caminhar**
Às vezes o caminhar é lento, mas o importante é não parar.
Mesmo um pequeno progresso é um avanço na direção certa.
E qualquer um é capaz de fazer um pequeno progresso.
Se você não pode conquistar algo importante hoje,conquiste algo menor.
Pequenos riachos se transformam em rios poderosos. Continue em frente.
O que de manhã parecia fora do alcance, pode ficar mais próximo à tarde
se você continuar em frente.
O tempo que usar trabalhando com paixão e intensidade aproximará você do seu objetivo.
É bem mais difícil começar de novo se você pára completamente.
Então, continue em frente. Não desperdice a chance que você mesmo criou.
Existe algo que pode ser feito agora mesmo, ainda hoje.
Pode não ser muito mas fará com que você continue no jogo.
Caminhe rápido enquanto puder.Caminhe lentamente quando for preciso.
Mas, seja o que for, continue andando.
E você conseguirá alcançar suas metas...Realizar seus planos, sonhos...
Portanto, não desista, nunca!
E lembre-se que sua capacidade de continuar vem unicamente de Deus.
"Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, comode nós mesmos;
mas a nossa capacidade vem de Deus."
**Desconheço o autor**

segunda-feira, janeiro 16, 2006

Asas

Chegaste devagarinho
Como quem vem do nevoeiro
Sem eu dar por isso
Estavas ao meu lado.
A medo deixei-te ficar
Foste tomando conta de mim
Dos meus pensamentos
Do meu corpo, da minha vida.
Partilhámos ideais, ideias,
Rimos e chorámos juntos.
Até que um dia acabou
E na memória ficou
As asas que me deste
Para poder voar.

Poema:
Wind

Eleições


Estamos na época das eleições . Os políticos " abrem-se " abrem as portas da casa nova em Albufeira. As portas das outras casas, as portas de suas vidas. Falam das namoradas que tiveram. Do passado da sua família, do casamento, dos filhos, dos amigos. Falam do que já governaram, das profissões que tiveram, tudo o que já fizeram de bom, e no que trabalharam para mudar o nosso país. Eu pergunto-me mas algum dos candidatos fez algo para mudar o nosso país? Não sei e também não quero ser injusta! Mas uma coisa é quase certa, as portas que agora se abrem enquanto elegemos o Presidente da República. São as mesmas que se fecharão quando for conhecido o novo Presidente da República. Neste jogo do gato e do rato e Ltda, que ganhe o melhor! E que não nos faça a vida mais negra do que ela já é! haja esperança, não é?
Texto: Teu-olhar

domingo, janeiro 15, 2006

Nesta classificação não escapa ninguém...


Como estamos numa de rir, estas classificaçoes são para levar para a brincadeira. Senão já tinha posto o autor ou autora no hospital a levar pontos hehehe

Nesta classificação não escapa ninguém ...

AQUÁRIO 21 Jan - 19 Fev
Tem uma mente imaginativa, e inclinada para o progresso. Mente muito.Comete os mesmos erros uma e outra vez porque é estúpido. Todos pensam que é um enorme imbecil.
PEIXES 20 Fev - 19 Mar
Tem uma imaginação fértil e por vezes pensa estar a ser seguido pelo SIS ou pela GNR. Tem uma pequena influência no seus amigos e as pessoas ressentem-se por confundir essa influência com poder. Tem falta de confiança e é geralmente um parvinho.
CARNEIRO 20 Mar - 18 Abr
É do tipo pioneiro e pensa que a maior parte das pessoas são atrasados mentais. É rápido a repreender, impaciente, cheio de conselhos.Não faz nada senão irritar toda a gente que o rodeia. É um estúpido.
TOURO 19 Abr - 19 Mai
É prático e persistente. Tem uma persistência incrível porque nunca consegue fazer nada certo da primeira vez. Muitas pessoas pensam que é um animal e um cabeça dura. É apenas um asno.
GÉMEOS 20 Mai - 20 Junh
É um pensador rápido e inteligente. As pessoas gostam de si porque é bisexual. Espera demais dando de menos em troca. Isto significa que é um bastardo unhas de fome.Os gémeos são notórios pelo incesto.
CARAGUEJO 21 Jun - 21 Jul
É aberto e compreensivo aos problemas dos outros o que faz de si um otário. Está sempre a adiar o que tem a fazer. Por isso e que não tem cheta e esta sempre na merda. Todos os prisioneiros são caranguejo.
LEÃO 22 Jul - 22 Ago
Considera-se um líder inato. Todos pensam que é um idiota. É vazio e não tolera críticas. Tem a mania de ser mandão e arrogante. Os leões sao panascas que gostam mais de se masturbar do que de sexo.
VIRGEM 23 Ago - 21 Set
É uma pessoa lógica que detesta a desordem. A sua atitude é doentia para os seus colegas. É frio, sem emoções e costuma adormecer durante o acto sexual. Os virgens dão bons condutores de autocarros e chulos.
BALANÇA 21 Set - 22 Out
É do tipo artístico e tem dificuldade com a realidade. Se é homem provavelmente é gay. Hipóteses de emprego e de ganhar dinheiro são nulas.Todos os balanças morrem de doencas venéreas.
ESCORPIÃO 23 Out - 21 Nov
O pior de todos!!! É fodido nos negócios e não se pode confiar nele!Consegue atingir o sucesso devido à sua total falta de ética. É um perfeito filho da puta. Muitos escorpiões são assassinados. SAGITÁRIOS 22 Nov - 20 Dez
É optimista e entusiasta. Tem a tendência de confiar na sorte, pois não tem talento. A maioria dos sagitários são bêbados. Nixon era sagitário.É sem duvida um inútil.
CAPRICÓRNIO 21 Dez - 20 Jan
É conservador e tem medo de arriscar. É basicamente um cobardolas. Nunca houve um capricórnio importante. Devia dar um tiro na cabeca.
( Autor desconhecido )

Viagem do norte ao sul

foto daqui

Para parar com as choradeiras que para aqui anda. Tenho o computador quase inundado
E o pior é que ele não sabe nadar. Vamos lá então a uma história que tem ligação do norte ate ao sul do nosso maravilhoso país.

Aviso: O texto abaixo contém palavras não recomendáveis a crianças ou a pessoas sensíveis. As pessoas que não aceitam palavrões não devem ler. E isto é a sério.

Bom tudo dito, está convidado/a a acompanhar a esta louca viagem, e melhor ainda não paga bilhete, ando muito generosa.

Apresentado as personagens desta historia:
O carro: um carro tipo renault 4 já acabado mas que ainda anda
O pai: um home do norte karago pois atom, com o nome de Manel e Manel porquê carago? Perguntam-me vossas excelências, ora porque o padrinho do Manel era vejam lá Manel.
A mãe: uma mulher também do norte não podia ser de outra coisa, com o nome da sua santíssima bisavó Felisbela que morrera pouco antes de ela ter visto a luz deste mundo.
O filho: um pirralho que a única coisa que sabe e levantar as saiinhas das coleguinhas da escola e chamar nomes feios as professoras, seu nome não podia ser outro Antonino 9 anos, Antonino por parte dos dois avos, o pai da mãe se chamava António e o pai do pai Albertino dividiram as sílabas e surgiu esse lindo nome.
A filha: Aparentemente nenhum defeito tem quase tudo para ser santa só lhe falta as asas e mais alguns acessórios. Seu lindo nome Esperança 16 anos. E porquê Esperança? Porque a criatura não queria nascer os pais aflitos pensar o pior, ela sempre se decidiu nascer e puseram-lhe o nome esperança. Personagens apresentadas vamos lá a isto amarrem-se onde poderem mas cuidado ao que se amarram para mais tarde não terem problemas. Vamos a isto e que deus me perdoe se tiver como.
.
O Manel bem cedo 7 da matinal, mete na mala do carroço, os sacos com as roupas, mete um cabo de cebolas, um saco de batatas, feijões, nabiças. No sul não á nada disso Tudo pronto! – oh Felisbela despacha-te caralho assim so xiguemos o sul la pras nove da noite fodasse la o caralho é sempre a mesma merda as mulheres so atrazam-se e atrazam um home fodasse. Já toda gente no carro começa a viagem. Entram na auto-estrada é só buzinadelas o carroço não da mais que 80kh e o Manel não anda mais que 60kh a Felisbela já farta de tantas apitadelas deita a cabeça fora da janela – ide apitar pró caralho creis passar passai por cima tindes os grandes? Continuando a viagem hora do almoço param numa estação de serviço, ai jesus – ó home tem ali no monte uns pausinhos acendíamos ali uma fogueirinha e assávamos os chouriço que trussemos que dizes? O mulher sei lá num vamos tar aqui a papar léguas e despois cheguemos muito tarde. O home é so 10 minutos. Va la atomcaralho.- á medida que as pessoas passavam olhavam, nunca antes visto – o mãe olha aquelas pexoas num param de olhar pra nos, Antonino num se aponta pás pexoas qué feio moço do caralho. Terminado o almoço, pés ao caminho melhor dizendo pneus na estrada – ó meus filhos vides como aqui num tem campos verdinhos nem se ve as vacas, nem cabras, aqui num a nada. O pai eu quero mijar tou apertadinha, caralho aguenta um bocado tamos na autoestrada num posso parar. ó pai também quero mijar ai ai. Foda-se lá os moços pró caralho uma quer assar os chouriços estes quer mijar e axim nunca mais cheguemos caralho. Depois de 10h de caminho finalmente chegam ao sul, uffff – o mulher olha me so que esta merda é grande caralho visto na televisom num é a mesma coisa foda-se. O home as pexoas aqui nem falam como nos falamos caralho, o atom num falom, atom falam o que? O pai ainda não reparaste que as pexoas aqui num dizem palavrões. O cala-te moça num dizem o caralho. Pois o caralho que num dizem. O moço do caralho quantas vezes é preciso te dijer pra num dijeres palavrões?uma pexoa fala pra vos mas é como se tivesse a falar pra um burro foda-se. O mulher onde é a pensom que vamos ficar? Pelo mapa é nesta rua olha ta ali acima. Já instalados a Felisbela começa a fazer a janta com os ingredientes que exportou do norte – o esperança anda ajudar-me a fazer a janta caralho so queres ver televisom, o mãe tou muito cansada. Rais parta a moça já nasceu cansada foda-se uma mulher é que tem de fazer tudo foda-se. – ó mulher que vais fazer pra janta? – vou fazer nabicinhas com feijom vermelho. Mas foda-se isso comemos onte.- ó home tu também num sabes o que queres uma mulher tem sempre que dicidir o que fazer pra se comer e inda axim num estais bem cum caralho. – depois do jantar resolveram ir tomar um cafezinho ao café ao lado da pensão, eu também quero um. – O que vão desejar? Pergunta o empregado do café. – Olhe traga ai dois cafezitos e dois pinguitos. – como ? questiona o empregado. – dois cafez e dois pingos repete o Manel. – duas bicas senhor? – qual bicas qual carapuça eu num tou com fome , quero cafés. Com custo ou não os cafés chegaram, negrinhos mas chegaram. - Visto os monumentos do sul e todas aquelas coisas que os nossos nortenhos visitaram, chegaram a conclusão que por mais bonitos que pudessem ser o nosso norte continua a ser mais lindo.
E assim os nossos nortenhos regressam ao norte que já sentia tanto a falta deles.
- Ai Manel quando contar as coisas que vimos as vizinhas vom roer-se de inveja rais me parta
- E eu quando contar o Chico e o Artur nem vom acreditar que tivemos no sul caralho
- E eu só conto a nossa viagem ao sul as moças que levantar a saia pra eu já tom no papo.
Oh moço do caralho tu nem penses im fajer ixo caralho
- Este meu filho sai mesmo ao pai xim senhor
- E eu vou contar mas que fomos num bom carro e dormimos num hotel, senom o que os moços pensarom de mim?
- ho moça dum caralho vai sonhando vai, tens vida de pobre, mas sonhos de rica, rais te parta, eu casei-me com o teu pai e num foi por dinheiro. – ó mãe o pai também é um teso. – ó moço quando chegarmos a casa vais apanhar coça velha, vais ver caralho tas sempre a meteres-te onde num deves , rais parta o moço cum caralho.

E a historia chega ao fim, os nossos amigos chegaram bem da sua viagem embora tenham chegado todos a maçados, mas o que importa é que chegaram bem e o carro aguentou.
Espero que tenham levado este texto para a brincadeira pois escrevi-o nesse sentido
Já podem desamarrarem-se ao que se amarraram já passou
E viva o norte carago, e o sul também pronto não chorem.
Nem imaginam a quantidade de erros que a Microsoft Word detectou hehehe.

Texto: Teu-olhar

sábado, janeiro 14, 2006

Tu levaste a minha vida

Tu levaste a minha vida
E a vontade de viver
Só deixaste no meu peito
Um pobre coração desfeito
Que não sabe mais bater
Tu levaste a minha alma
Só meu corpo está aqui
Tudo o resto foi contigo
E hoje tento e não consigo
Sequer mandar em mim

Refrão
Quero voltar a amar
Quero deixar de andar
Assim tão à deriva
Quero encontrar alguém
Mas nem isso já sei
Pois tu levaste a minha vida
Contigo

Tu levaste a minha vida
E a essência do meu ser
Só deixaste no meu fundo
Uma dor maior que o mundo
Que não pára de doer
Tu levaste a minha alma
Só meu corpo está aqui
Tudo o resto foi contigo
Hoje tento e não consigo
Sequer mandar em mim

Refrão 2x
Quero voltar a amar
Quero deixar de andar
Assim tão à deriva
Quero encontrar alguém
Mas nem isso já sei
Pois tu levaste a minha vida
Contigo


Tu levaste a minha vida
Contigo.


site oficial Tony Carreira

Poesia Mentirosa

Você as vezes é tão cruel comigo...
Tão covarde... quer falar de paixão,
Quer nas sua rimas jogar-me no chão,
Vá, faça tudo como quiser então...
Que importa o que você diga?
Eu digo sim e você petulante diz não...
"Fale sozinha, desta vez não escuto,
Não escrevo, não é meu o pensamento...
Nem você minha dona e senhora...
"Vá, marche, vá logo embora...
Quero estar calada sozinha agora,
Vá... minha alma cansada implora...
Ferro em brasa é sua palavra;
Meu pensamento, meu cérebro,
Um redemoinho varrendo tudo.
Minha dor, um espinho pontiagudo...
Sentemos então, dessa vez vou ditando...
Mentira... tudo é uma mentira...
Você não existe e aviso de antemão...
Não fale de amor, carinho e coração!

sexta-feira, janeiro 13, 2006

Fica só mais esta noite

Esta noite fica comigo
Não te vás embora
Nem imaginas como esta noite preciso de ti
Do calor do teu corpo
Adormecer em teus braços
Perder-me nos teus lábios
Acariciar teu corpo com um toque suave.

Não digas hoje adeus
Não digas que vais me deixar agora
Não neste momento, não esta noite
Fica só mais esta noite.

Por tudo o que vivemos
Pelos momentos que passamos
Não te vás esta noite
Amanhã tu vais
Dá-me só esta noite
Não te peço mais
Que esta noite!

Poema: Teu-olhar

Cada vez a última, cada vez a primeira

( Foto de: Mariana Castro )

Como escrever paixão sem ser assim?
Com o corpo nas palavras
Com os sentidos nos dedos
E os dedos sentindo
A paixão que ferve dentro.
Como fazer amor sem ser assim?
Como se cada vez fosse a última
E a última fosse a primeira
E o fogo ardesse dentro
Assim como arde na pele.
Como escrever amar sem ser assim?
Como escrever sem fazer amor?
Sem me entregar em cada poema
E dar-tos como me entrego
Incendiar as palavras
Como me incendeias o corpo
E arder no poema
Como ardo nos teus braços.
Como se cada poema fosse o último
E cada vez a primeira.

quinta-feira, janeiro 12, 2006

Eu sei, não te conheço, mas existes ...

Eu sei, não te conheço mas existes.
por isso os deuses não existem,
a solidão não existe
e apenas me dói a tua ausência
como uma fogueira
ou um grito.

Não me perguntes como mas ainda me lembro
quando no outono cresceram no teu peito
duas alegres laranjas que eu apertei nas minhas mãos
e perfumaram depois a minha boca

Eu sei, não digas, deixa-me inventar-te.
não é um sonho, juro, são apenas as minhas mãos
sobre a tua nudez
como uma sombra no deserto.
É apenas este rio que me percorre há muito e desagua
em ti,
Porque tu és o mar que acolhe os meus destroços.
É apenas uma tristeza inadiável, uma outra maneira
de habitares
Em todas as palavras do meu canto.

Tenho construído o teu nome com todas as coisas.
tenho feito amor de muitas maneiras,
docemente,lentamente
desesperadamente
à tua procura, sempre á tua procura
até me dar conta que estás em mim,
que em mim devo procurar-te,
e tu apenas existes porque eu existo
e eu não estou só contigo
mas é contigo que eu quero ficar só
porque é a ti,
a ti que eu amo.

Joaquim Pessoa

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Noite decisiva

Ela saiu mais cedo do trabalho
Passou no cabeleireiro
Mudou o penteado arranjou as unhas
Queria estar linda naquela noite
Queria preparar um jantar surpresa para seu marido
Pois o casamento já estava há muito fraquejado

Chegou a casa começou por preparar
O prato que ele mais gostava, e a sobremesa
Pôs no frigorífico aquele vinho especial
Que só abriam em momentos especiais
Já há muito tempo
Que não haviam momentos especiais

Então ela pôs a mesa
Com os melhores copos, os melhores talheres
Foi buscar o jogo de pratos guardados no armário
Colocou dois castiçais com velas da cor do amor
Colocou aquele CD com a música que era deles
Relembrava os momentos de amor que juntos viveram
Foi tomar um banho relaxante, perfumado
Nada podia falhar, não nessa noite

Apercebe-se do carro chegar…
Acende as velas, olha-se ao espelho, retoca o batom
A ansiedade a deixa nervosa, mas ela sabe que precisa ficar calma
Vai espera-lo á porta, ali começava a noite decisiva
Ele entra, diz boa noite, não olha para ela, não repara naquela linda mulher
Senta-se no sofá, liga a televisão, ela pergunta… notas alguma diferença em mim?
Ele responde… tiraste o avental?
Ela diz não, não é isso, é algo em mim!
Ele diz, então diz lá o que mudaste em ti!
Ela pede-lhe para que ele olhe para ela para ver a mudança e dar a opinião
Ele diz friamente… mas era preciso ires ao cabeleireiro
Vestir roupa nova, num dia de semana?

Ela apercebe-se que a noite começou mal
Mas não tinha perdido a esperança
Ainda a noite tinha começado.
Chega ao pé dele e diz-lhe… o jantar esta pronto!
Fiz o teu prato preferido!
Ele diz, então vamos jantar, estou cheio de fome
Não te importas de desligar a música? E acender a luz?
O clima de romantismo acabou ali
O jantar foi silencioso não havia tema para conversa

Acabado o jantar ele levanta-se
Diz-lhe que se vai deitar pois está cansado
Ela não consegue dizer uma só palavra
A tristeza, desilusão, a rejeição,
Toma conta dela
Coloca a cabeça sob a mesa

E chora descontroladamente
O mundo tinha desabado sob ela
A dor é tão forte que a sufoca
A noite que ela planeou
A noite que seria decisiva para o seu casamento
para a sua vida…
Acabou por ser, mas não como ela desejou.
Poema de: Teu-olhar

Quando você chegar

( Foto de: Yuri B )
Quando você chegar…
Oiço esta música que costumo gozar
E penso que me faz falta
Alguém que me acarinhe
Me toque, me cante, me ame.
Se calhar é por estar no Inverno
Sinto-me mais carente
Frágil, pequena.
E sonho:
Quando você chegar…

Poema de:
Wind

terça-feira, janeiro 10, 2006

Para quem nunca sentiu...


Para quem nunca sentiu....
Esta noite não tive sono! Acordada os pensamentos ganham asas! Tudo vem à mente... o passado... ah passado danado... o presente, o dia que passou! No futuro nunca penso!!!!Sonho acordada, sempre com pensamento positivo pois tó-tó já sou e ponho-me a imaginar...Como deve ser delicioso... em qualquer hora... aconchegar-me no conforto de uns braços, de certo mais fortes que os meus, num abraço, de cara encostada num peito, ausência de palavras... e para quê???... e sentir... não tenhas medo... eu estou aqui!!!Como deve ser delicioso... em qualquer hora... receber uma mensagem, um telefonema...não tenhas nedo... eu estou aqui!!!!Como deve ser delicioso... em qualquer hora... ouvir...não és feia, não és ordinária, não és vulgar... mas és minha, muito minha... sempre meiga, afável e confortante... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!Lágrimas caem pelo meu rosto....em silêncio...Como deve ser delicioso... em qualquer hora... receber um simples cravo amarelo... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!Como deve ser delicioso... em qualquer hora... pousar a minha mão no teu peito, acariciar teus cabelos e sentir... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!Como deve ser delicioso... em qualquer hora... ouvir... pára, descansa... hoje quem faz a janta, arruma a cozinha, sou eu... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!Como deve ser delicioso... em qualquer hora... sentir a tua mão na minha... passear junto ao mar, ouvir a lua e a estrelas, sentir essa força... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!Conheço muitos e muitas que felizmente essa força nunca lhes faltou!Conheço muitos e muitas que não dão valor ao que têm... ou têm e querem mais!Conheço muitos e muitas .... oxalá minhas filhas, hoje tão felizes... continuem sempre a ouvir...de quem vos ama, de quem está ao vosso lado... não tenhas medo... eu estou aqui!!!!!Porque eu, sim eu... nunca tive esse previlégio... ou se calhar cada um tem o que merece!Adormeçi!!!!

-fatyly

30/04/2004

segunda-feira, janeiro 09, 2006

Nada sabes de mim


Quem te disse a ti, que eu não choro?
É porque não me vês chorar?
Por acaso és tu que enxugas as minhas lágrimas?
Tu vês meus olhos cheios de lágrimas?
És tu que choras comigo?

Quem te disse a ti, que eu não sofro?
É porque não me vês sofrer?
Mas eu sofro e só tu não vês
É porque não sentes a mesma dor que eu?
Porque a tua vida é colorida,
Pensas que a minha tem a mesma cor?
Pensas que porque o mundo te sorri,
Para mim sorri também?

Não é assim como pensas!
A vida nem sempre me sorri
Nem sempre é colorida
E nem sempre quando estou a sorrir …
Não quer dizer que esse sorriso,
é o mesmo que vive dentro de mim.

Do fundo do meu coração, desejo
Que o mundo te sorria sempre
Que a tua vida seja sempre colorida
Que os teus olhos tenham sempre esse brilho
E que o teu coração, nunca saiba o que é sofrer.
Poema de: Teu-olhar

Começar de novo


Ando solta feito o vento
não tenho onde e porque parar
sou como pássaro sem destino
voo sob rios, mares, oceanos
só páro para descansar
refugio-me entre as nuvens
lá ninguém me poderá ver
parto sem deixar rasto
para que ninguém me possa encontrar
fujo de ti, fujo do mundo, fujo da crueldade
fujo da injustiça, fujo da miséria, fujo dos problemas,
fujo da responsablidade, fujo da cobardia
mas espera estou a ser cobarde, estou a fugir!

Acordo
Decido enfrentar tudo e todos
A minha razão de ser
É a consciência
E para isso vou lutar por ti
Pelas guerras, pela fome, pelas injustiças
Nem que morra
Como uma árvore:
De pé!

Poema de: Wind e Teu-olhar
Foto: Retirada da internet

sábado, janeiro 07, 2006

Porque

( Foto de: Bruno Espadana )

PORQUE
Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Anderson
Este poema é dedicado a uma pessoa especial,
á pessoa mais linda da net e arredores:)
que um dia também me dedicou este poema :)

Fazer o Amor

( Foto de: Geometry Lesson )

Deitada em minha cama penso …
Nas muitas camas, que testemunham
Pessoas que fazem o amor com amor …
Noutras pessoas, o amor é feito com amor que não é recíproco
Noutras pessoas, o amor é feito por fazer, por diversão,
Há quem lhe chame … sexo!

Noutras pessoas, o amor é feito por obrigação,
por dever matrimonial, porque o companheiro/a exige
Noutras pessoas, o amor é feito por hábito
Pessoas que fingem ter prazer para agradar a/o parceiro/a
para não serem acusadas/os de infiéis,
para não serem confrontados/as com a verdade.

Pessoas que procuram prazer na rua, porque não tem com o/a parceiro/a
Noutras pessoas, não falta só fazer o amor
Falta o essencial, amor, carinho, cumplicidade, desejo.
Pessoas que escondem o amor, a paixão, a sua opção, a felicidade
Por preconceitos de muitos que dizem saber o que é o AMOR!


O corpo não existe para ser castigado, maltratado, mas sim para ser amado, desejado, acariciado.
Os lábios existem para serem beijados, mordidos ( com ternura ) são necessários para ajudar a percorrer o caminho do corpo da pessoa amada.
As mãos/braços existem não só para o nosso dia-a-dia, mas também para abraçar, aconchegar, socorrer quem mais amamos.
O cérebro não existe só para fazer contas, mas para reflectirmos na vida e do que fazemos a quem nos rodeia.


Poema: Teu-olhar

sexta-feira, janeiro 06, 2006

Um dia ...

Um dia percebemos que algumas coisas não fazem tanto sentido quando acendemos a luz. Aprendemos a olhar por perspectivas e ângulos diferentes e concluímos que muitas coisas nas quais acreditamos a vida inteira, era apenas um lado da moeda. E vale lembrar que, toda moeda tem duas faces. Um dia percebemos que alguns sentimentos resistem ao tempo, mesmo que eles adormeçam dentro do nosso coração. Um dia percebemos que podemos subir degraus mais altos e podemos ir mais longe. Um dia nos deparamos com um espelho sincero que nos mostra que não precisamos mudar tantas coisas, como o mundo propõe... Algumas pessoas se apaixonam justamente por coisas que alguém já tentou mudar um dia. E vale lembrar também que, eu estou escrevendo na primeira pessoa do plural, mas me refiro a mim. Sou eu que estou percebendo todas essas coisas. Então eu mudo a narrativa e escrevo no singular. Porque às vezes precisamos mudar algumas coisas mesmo, não tem jeito. Aí, começa a chover na minha janela, mas não chove na minha alma. E tudo fica escuro. Mas a chuva é de primavera e logo passa. Um dia eu percebi que gostar não era suficiente, não pra mim. Outro dia, eu percebi que meus poemas são sempre tristes, que escrevo prosas de qualquer jeito, que estou sempre sorrindo e que quase ninguém vê a cor clara dos meus olhos, porque minhas pupilas estão sempre dilatadas. Um dia eu percebi que mesmo que todos sejamos iguais, numa existência igual, podemos transformar todos os dias em festa!!!

Texto: Púrpura

Foto: Bruno Ramalho

quinta-feira, janeiro 05, 2006

Pesadelo ou Sonho?


Hoje ao acordar
vou de encontro ao espelho
é a mesma cara de sempre
a tristeza no olhar de todos os dias
lembro-me que ao me deitar chorei
já não me lembro se sonhei contigo
mas se sonhei, foi um pesadelo
pois os meus olhos pesam-me a alma pesa-me
a minha cabeça esta dormente
sempre que me deito fecho os olhos
e procuro sonhar contigo
em que tu vens ao meu encontro, beijas-me apaixonadamente
e me dizes ao ouvido bem baixinho, amo-te
em que me abraças bem forte e me dizes, não me deixes
fica comigo para sempre! Estou aqui!
mas nos meus sonhos, sempre que eu te quero, te desejo, te encontro,
não sei porquê nem o que me dá a volta ao sonho e torna se pesadelo
pois tu começas por me virar as costas e vais te embora
deixas-me as mãos vazias, já não sinto o calor no meu corpo,
fico com o coração desfeito. Tu levas-me contigo, levas tudo de mim
e eu sem ti sou nada.
Poema: Teu-olhar

quarta-feira, janeiro 04, 2006

Se


Se eu disser:
- Eu amo-te
A palavra foi tantas vezes dita e repetida
Será que a ouves? Será que a sentes?
Mas se desenhar amor no teu corpo
Se nos meus dedos tu o sentires
E a cada gesto ele se tornar real na tua pele
Nesse momento sim.
Saberás que
E como te amo!
Se eu disser:
- Desejo-te
Será que ouves? Será que sentes?
Será que sentes a fome, a ânsia, o querer?
Mas se procurar o teu corpo com o meu
Se sentires a procura urgente de ti
Se for desejo e corpo nas tuas mãos
E respirar por ti na tua boca
Nesse momento sim.
Saberás que
E como te desejo!
Se eu disser:
- Sou tua
Saberás mesmo que sou tua?
Mas se no momento da entrega
Eu parar de ser para que sejas
Se naquele momento
Naquele preciso momento
Não existir tu ou eu
Nesse momento sim
Saberás que sou tua.
Porque então meu amor
Não seremos dois
Seremos um
Seremos nós.

Poema de: encandescente
http://eroticidades.blogspot.com/